Tuesday, June 01, 2010

Luiz Melodia, Teatro Rival, 22 de Maio de 2010

O tempo que levei para escrever sobre a apresentação de Luiz Melodia no Teatro Rival no mês passado foi o tempo necessário para recuperar-me do impacto, da humilhação diante de tanto talento. Melodia sempre será uma anomalia no estagnado e reacionário cenário da chamada música popular brasileira. Desceu o Morro de São Carlos no início dos anos 70, desafiando todo e qualquer estereótipo: sambista? Bluesman? Houvesse justiça no mundo pop, não teria deixado pedra sobre pedra com sua poesia incomum ("Baby eu te amo, nem sei se te amo" e "O amor da morena maldita domingo no espaço" são só os exemplos mais óbvios de sua lírica intrincada) e sua música inclassificável. Contudo, falamos do país em que um medíocre fanhoso como Roiberto Carlos é chamado de "Rei" (quem precisa deles?), então, nada mais normal que mesmo com tantos anos de carreira, Luiz melodia ainda seja um pazer para poucos.
A regra para um show do cantor seria então esperar o inesperado. Se no seu último trabalho havia sido uma releitura de sambas clássicos dos anos 30, 40 e 50, no espetáculo em questão o cantor se concentrou em canções de amor, de sua autoria ou não. No palco, uma formação acústica e minimalista, dois violões (quase sempre um de nylon e um de aço - já aí fazendo a diferença, sendo a primeira opção a velha mania dos músicos tão tristemente amarrados às raízes da MPB) e um cavaquinho (na maior parte do tempo excessivamente virtuoso e tolo).
Melodia domina o palco como poucos. Cada vocal, cada gracejo, cada resposta a gracinhas da platéia são iluminadas pela malandragem que transborda do cara. Sua voz passeia pelos improvisos do jazz sem jamais negar a herança do samba. Entenderam, meus jovens? Nada é postiço. Só asim pode existir uma verdadeira mistura em termos de música. Ponto alto, na minha opinião? Reger o comportado público em suas mesinhas com versos como "Tento o suicídio/com caco de telha, com caco de vidro". Impossível não voltar para casa um pouco iluminado pelo som daquele senhor vestido de branco.

1 Comments:

Blogger Gustavo said...

Já tem um tempo queria comentar este seu post, mas nem sempre a vida me permite. Agora que ela me concedeu um pouco de tempo, obrigado por me fazer lembrar desse cara. Luiz Melodia é talento natural, meio cru e gosto muito do som dele e suas artimanhas sonoroas. Uma vez o ouvi cantando ao lado de um violonista com uma pegada meio espanhola e tudo parecia lindo. Não sabia que gostava de alguém da mpb, sendo este mpb bem vago. Um abraço!

2:51 PM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home

Free Web Site Counter
Free Counter <